Com Maria para uma nova terra

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, em comemoração aos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, nas águas do rio Paraíba do Sul, instituiu o Ano Nacional Mariano, a iniciar-se aos 12 de outubro de 2016, concluindo-se aos 11 de outubro de 2017, para celebrar, fazer memória e agradecer.

Como no episódio da pesca milagrosa narrada pelos Evangelho

s, também os nossos pescadores passaram pela experiência do insucesso. Mas, também eles, perseverando em seu trabalho, receberam um dom muito maior do que poderiam esperar: “Deus ofereceu ao Brasil a sua própria Mãe”.

Tendo acolhido o sinal que Deus lhes tinha dado, os pescadores tornam-se missionários, partilhando com os vizinhos a graça recebida. Trata-se de uma lição sobre a missão da Igreja no mundo: “O resultado do trabalho pastoral não se assenta na riqueza dos recursos, mas na criatividade do amor” (Papa Francisco).

A celebração dos 300 anos é uma grande ação de graças. Devemos marcar esse momento não só com um sentido histórico/ piedoso, mas sim com uma abertura para refletir nos passos de Maria rumo a “Nova Terra”.

A Bíblia afirma que Deus criou a Terra “para ser habitada” e não para ser um “caos”, e depois de ter feito o homem à Sua própria imagem e semelhança, Deus declarou que tudo o que Ele havia feito era “muito bom” (Gênesis 1:31)

Como vemos, Deus criou um mundo “muito bom”, porém se não houver no homem e na mulher uma busca autentica de vivencia da justiça transformaremos cada vez mais nossa sociedade neste “caos” perene. O mundo se transforma somente quando nosso coração se volta para Deus.

Quando olhamos para Maria, vemos suas atitudes nos apontando para essa “Nova Terra”, sua intrepidez diante do SIM para Deus, seu proceder perante as barreiras e dificuldades e sua postura em pé diante da cruz de seu filho, são verdadeiramente degraus que nos servem de exemplo.

 

Realmente quando colocarmos tais virtudes em prática concreta em nossa vida, elas nos servirão de degraus para nos conduzir ao verdadeiro encontro com a felicidade que tanto buscamos. Seguindo o exemplo de Maria, prossigamos decididamente rumo a “Nova Terra”.

 

César Quirino

Fundador